Siga-nos nas redes sociais

Desenvolver uma Solução Digital é um processo extremamente minucioso e que precisa estar alinhado com as necessidades do negócio idealizador e com o mercado em que ele está inserido. O produto precisa ser planejado para atingir os seus objetivos a longo prazo e conseguir entregar o que ele se propõe aos seus usuários.

Porém, no meio do caminho do desenvolvimento, essas soluções podem esbarrar em exigências do mercado e prazos a serem cumpridos, que modificam as decisões dentro da construção daquele Software. Decisões estas que podem gerar um Technical Debt, ou seja, um débito técnico no desenvolvimento.

Neste Conversando com o C-Level, o CTO da GoBacklog, William Oliveira, nos explica um pouco mais sobre o que é o Technical Debt e quais são as consequências que ele gera em todo o processo de desenvolvimento de uma solução.

Então, se você queria dar uma base mais sólida ao seu software, garantindo que ele fosse funcionar melhor e ter mais velocidade de implementação a longo prazo, quando você toma essas decisões imediatistas, você acaba acumulando um débito. É nessa situação que entra o termo Débito Técnico.

O que é Technical Debt?

Technical Debt ou Débito Técnico, em português, é um termo utilizado para caracterizar um problema comum no desenvolvimento de software.

Quando você está desenvolvendo um produto, você deve tomar decisões tanto do negócio quanto do software, como ele irá se comportar, a arquitetura do código e como os objetivos da solução serão atingidos a longo prazo.

Então, se você tem um software que começa de um ponto, com alguns módulos, e quer alcançar determinados objetivos, você tem que organizar como esse código se tornará sólido. Tudo isso exige tempo, um pensamento crítico e analítico, que te ajudará a tomar boas decisões durante o processo de desenvolvimento.

O Technical Debt acontece quando essas decisões são tomadas de maneira não pensada ou na correria. Se você tem uma pressão vinda da parte de negócios da empresa, com o pessoal que cuida da gestão precisando soltar o produto para o mercado ou de lançar uma nova funcionalidade, dentro de uma janela de tempo, o software pode ser atingido, gerando consequências.

Você começa a tomar decisões mais imediatas para remediar situações a curto prazo. Então, se você queria dar uma base mais sólida ao seu software, garantindo que ele fosse funcionar melhor e ter mais velocidade de implementação a longo prazo, quando você toma essas decisões imediatistas, você acaba acumulando um débito.

É nessa situação que entra o termo Débito Técnico, onde você acumula vários débitos que podem gerar consequências graves para o seu software.

Ao tomar micro decisões, mudando a arquitetura do código e desenvolvendo coisas que deveriam ser complexas de forma mais simples, em nome do tempo, impacta a performance da sua solução, a integração do seu time e tudo que compõe o desenvolvimento do software em si.

Quais são suas consequências?

Quando você começa a tomar diversas decisões que geram esse débito, chega um ponto em que, em alguns casos, a equipe começa a ter um grande retrabalho no desenvolvimento da solução.

Chamamos esse retrabalho de refatoração, que é quando você tem que reconstruir partes do software, que já estavam prontas, mas que não funcionam de acordo com o que foi planejado, possuindo falhas, uma performance não adequada ou que não atende os requisitos planejados.

Esse retrabalho gera uma grande perda de tempo no desenvolvimento da solução, pois é preciso revisitar, replanejar e reescrever o código do produto, visando torná-lo aceitável, escalável e continuar dando vida útil a esse software, junto ao seu time.

Em alguns casos mais extremos, o acúmulo do débito técnico, ou seja, dessas más decisões, pode ocasionar a reescrita do código como um todo. Tudo aquilo que foi feito até aquele momento é perdido, tendo que levantar aquele software do zero, traçando os requisitos novamente e alinhando os objetivos entre o time de negócio e o time de desenvolvimento.

Em determinados momentos o Technical Debt até pode ser benéfico, se o que você tem para desenvolver é um protótipo ou uma prova de conceito que tem que ser rodada rápido, mas que será reconstruída de qualquer forma. Porém, na construção do código de um produto que já foi validado, essa prática pode ser muito prejudicial.

Se você quer desenvolver uma Solução Digital que possua qualidade, uma vida útil a longo prazo e que escale muito bem, o Débito Técnico deve ser algo evitado em todo o desenvolvimento desse software.

É sempre um equilíbrio e uma troca entre as decisões de negócio, as janelas de mercado e o seu time de desenvolvimento. Então, é importante manter essas partes alinhadas e com uma comunicação eficiente, para conseguir desenvolver um software de qualidade e que consiga atingir os objetivos traçados.

Links para Leitura

Ana Antunes

Especialista de Marketing na GoBacklog, uma empresa especializada no desenvolvimento de soluções digitais que vem mudando a forma de se criar negócios digitais de sucesso. Estudante de Economia na UFJF, apaixonada por inovação e tecnologia.
Fechar
1
Oi, tudo bem? Como posso te ajudar?
Powered by