Siga-nos nas redes sociais

SEO ou Search Engine Optimization significa, em tradução direta, Otimização para Mecanismo de Busca. Na prática é preparar um conteúdo para que ele ranqueie nos primeiros (de preferência o primeiro) lugares no Google, Bing ou outros buscadores.

Esse ranqueamento deve acontecer de maneira orgânica, pois o contrário seria utilizar o serviço de anúncios dos mecanismos de busca, o que não tem a ver com SEO e sim com mídia paga, que também é uma boa estratégia, mas que não irei abordar neste texto.

Em geral o foco do SEO é o Google mesmo, buscador que domina o mercado com mais de 85% de participação. Além disso, estar nas 3 primeiras posições deste buscador é crucial para ter resultados já que, segundo a pesquisa da Internet Marketing Ninjas, cerca de 40% dos cliques de quem busca se concentram nos 3 primeiros resultados.

SEO para iniciantes: gráfico de mercado de buscadores
Pesquisa feita pela Statista onde foi analisado o market share de buscadores, de janeiro de 2010 até julho de 2018

Por isso o SEO se mostra uma poderosa ferramenta, pois é por meio de seu entendimento e aplicação que se alcança resultados interessantes no Google. Porém tenha ciência que um bom posicionamento não acontece por acaso, é necessário muito trabalho.

Preparei este artigo para que você entenda suficientemente os conceitos básicos. Esse conhecimento você poderá aplicar de imediato na sua estratégia de marketing e começar a subir de posição na medida que progride nas técnicas mais avançadas. Acompanhe!

Como funcionam os mecanismos de busca?

De maneira geral e ampla, os mecanismos de busca possuem algoritmos complexos e que mapeiam diversos (talvez milhares) fatores para ranqueamento de uma determinada página.

A verdade é que sabe-se pouco como eles operam. O Google não revela completamente como faz a indexação e classificação das páginas, pois se tornasse isso público, as pessoas poderiam maliciosamente abusar do conhecimento e o objetivo da ferramenta de trazer conteúdo relevante estaria em jogo.

Apesar disso, anos de prática possibilitaram que especialistas em SEO entendessem alguns critérios de ranqueamento do Google.

Sobre o funcionamento do Google, ele consiste em:

  1. Index (banco de dados onde é registrado tudo que é mapeado na internet)
  2. Crawler ou robô (algoritmo que faz a leitura dos sites na internet)
  3. Algoritmo secreto de ranqueamento

Ainda sobre o Google, a missão da empresa é a seguinte:

Nossa missão é organizar as informações do mundo para que sejam universalmente acessíveis e úteis para todos.

Isso indica que o Google está comprometido com a qualidade do que entrega para seus usuários e que ele quer ter a certeza de que você, ao buscar por um termo, terá não apenas o melhor conteúdo, mas também o mais adequado ao seu momento de consumo.

Sobre o ranqueamento, o que posso afirmar é que esses dois são fatores fortemente levados em consideração:

  • Conteúdo (o quão relevante ele é)
  • Links (o quanto as pessoas referenciam aquele conteúdo)

Sendo assim, o seu conteúdo precisa estar dentro de um determinado contexto, possuir um título que permita que as pessoas o encontrem quando buscarem no Google para aquele contexto desejado (por meio de palavras chave) e precisa ter links de outros sites e páginas do seu próprio site para ele, dizendo que ele é relevante.

Esse é o conceito de autoridade que foi transferido do mundo real para o mundo virtual. Antigamente quando as pessoas precisavam de alguma informação, elas iam na fonte mais confiável que conheciam e perguntavam por quem sabia sobre determinado assunto. Na internet isso não muda por completo.

Como o Google mede se um site é confiável para um determinado conteúdo? Quando várias páginas da internet apontam para uma determinada página com um texto âncora (pedaço de texto ou uma imagem com um link adicionado) relacionado ao conteúdo abordado.

O texto âncora ou anchor text ajuda o Google a confirmar que um conteúdo é de fato sobre um determinado assunto. Quanto mais textos âncoras semelhantes e de um mesmo assunto, mais se confirma o assunto de uma determinada página.

Sendo assim, se vários sites dizem que seu site é confiável para um conteúdo, ele ganha autoridade e começa a ranquear bem para um determinado conteúdo.

Porém isso não é o suficiente para ficar em primeiro, pois ele precisa ter, em geral, mais autoridade e backlinks (links recebidos) que outros sites que abordam o mesmo conteúdo. Isso considerando que ambos os sites possuem conteúdo de qualidade similar.

Os 3 pilares do SEO

Podemos resumir, para simplificação, o SEO em 3 pilares, que são:

  • Autoridade
  • Relevância
  • Confiança

1. Autoridade

A autoridade é o que pontuei acima, é o quanto outras páginas dizem que sua página tem respaldo para dizer o que diz.

Autoridade se conquista, em geral, com o tempo de mercado, criando e compartilhando conteúdos relevantes e profundos, que de fato irão ajudar seu leitor.

Isso faz com que o conteúdo seja referenciado por outros sites e com o tempo você terá vários links apontando para seu site dizendo que o conteúdo é de qualidade.

Há um porém: de nada adianta ter links dizendo que seu site é uma referência em carros se você fala sobre comida, por exemplo.

Por mais links que você tenha, você não conseguirá sustentar altas posições por muito tempo dessa maneira. É questão de qualidade e contexto, não necessariamente de quantidade.

Off topic:

Algumas empresas usam estratégias para conseguir diversos links apontados para seus sites de forma artificial. Essa técnica é considerada Black Hat e pode acarretar penalização pelos mecanismos de busca.

2. Relevância

Relevância significa que seu conteúdo é relevante para seu leitor e a capacidade do seu site em ser relevante para determinados assuntos. Isso é medido pelo tempo que seu leitor passa no seu conteúdo, com a interação dele com o que foi escrito e com o acesso dele às sugestões de links para continuar a leitura em outros conteúdos.

A relevância está diretamente relacionada à experiência do seu leitor com seu conteúdo.

Assim como no caso dos links, aqui também podemos levar em consideração os assuntos que seu site aborda. Se seu site fala sobre carros e é conhecido por isso, será extremamente difícil ranquear para algo como bonecas.

Entenda com isso que tudo está conectado: os links que você recebe têm valor se seu site possui relevância em um determinado assunto.

3. Confiança

Por fim a confiança, que significa o quão confiável é um site. Coisas como não ter conteúdos que não são relevantes ou de qualidade, vender links (Black Hat), não ter um contato disponível em seu site e em geral, não parecer um site confiável. Isso tudo pesa.

Esse conceito de confiança é um pouco mais subjetivo e alguns dizem que nem é usado pelo Google para fatores de ranqueamento, apesar de em abril de 2018 ele ter patenteado algo relacionado a isso.

É importante ter em mente que em SEO o que vale é a experiência do usuário. Como faz sentido um site ser penalizado por não parecer confiável, gosto de citar como o terceiro pilar. Até mesmo porque esse é um fator controlável e que impacta positivamente a experiência do usuário quando respeitado.

Tipos de links: Do Follow ou No Follow

Links Do Follow e No Follow SEO para iniciantes

Até agora já falei bastante sobre links e você já sabe o quão importante eles são. Porém existem dois tipos de link, os que são Do Follow, aqueles que transmitem autoridade de um site para outro e os No Follow, que não transmitem autoridade.

Os links Do Follow são os que me referi até o momento do texto. Eles são os que você precisa trabalhar pesado para conseguir de maneira orgânica e natural. Quando um site referencia outro usando um link Do Follow, ele diz para o Google que ele confia naquele site que está apontando.

O mesmo não acontece com o No Follow, que é usado em geral em situações onde um site referencia outro por motivos comerciais, como em um link de Adwords, por exemplo.

Mesmo o link No Follow não tendo peso como um link Do Follow, ele continua sendo valioso para uma estratégia de marketing, já que ele faz com que as pessoas acessem seu site por intermédio dele, aumentando seu tráfego e a exposição da sua marca.

Se o Google não revela como ranqueia os sites, como me nortear?

Algumas empresas criaram ferramentas e métricas para avaliar o quão bem posicionado está um site em toda a internet. Entre essas métricas e ferramentas podemos citar:

  • Domain Authority e Page Authority da Moz
  • Citation Flow e Trust Flow da Majestic
  • Domain Rank e URL Rank da Ahrefs

Por meio dessas métricas e ferramentas podemos deduzir o peso de um domínio junto da autoridade que ele irá transmitir para outro site que ele referenciar.

Apesar disso, não devemos levar como verdade absoluta essas métricas. Essas empresas não possuem a capacidade que o Google possui de mapear toda a internet e conseguem mapear apenas uma parcela das conexões entre os sites.

Por esse motivo, na medida que você for avançando no conhecimento em SEO, verá algumas inconsistências nessas métricas, mas nada que comprometa o uso das mesmas. Além disso, elas estão em constante atualização para serem cada vez mais fidedignas e é bom sempre acompanhar os blogs dessas empresas.

Como conseguir e atrair links da maneira correta

Como conseguir e atrair links da maneira correta: SEO para iniciantes

Chegando até aqui você já deve ter entendido que você precisa de muitos links, certo? Então como conseguir links para seu site de forma orgânica? O que evitar fazer para não sujar a reputação do seu site?

Entenda que o Google espera que você consiga links de forma natural. Ele quer que você crie a melhor experiência para seu leitor, divulgue seu conteúdo e com isso consiga que outras pessoas referenciem seu blog.

Sendo assim, você pode seguir os seguintes passos:

1. Criar conteúdos profundos e de qualidade

Não existe nada melhor para atrair links do que um conteúdo de qualidade e que responda as dúvidas dos seus leitores.

Produzir conteúdos dessa dimensão dão trabalho, demandam estudo e tempo. Por isso boa parte das empresas não conseguem entregar isso em seus blogs. Isso representa uma grande oportunidade para quem quer investir em marketing de conteúdo no Brasil.

Existe ainda muito espaço a ser preenchido no mercado e muitos nichos ainda não possuem referências em conteúdo. Por que não transformar sua empresa em referência em conteúdo na área de atuação dela? Investir em uma equipe de profissionais capacitados pode ser um excelente caminho. Colocar sua equipe de especialistas para escrever é uma excelente ideia.

2. Construa uma rede de contatos

Ajudar a comunidade pode ser um excelente caminho para ganhar notoriedade. Se você tira as dúvidas das pessoas, você se torna referência para elas. Em geral elas vão lhe retribuir de alguma maneira e isso pode ser referenciando o conteúdo que as ajudou ou compartilhando nas redes sociais.

É um trabalho de formiguinha e de longo prazo, mas que vale a pena ser iniciado agora mesmo para a construção de uma marca de valor no mercado.

3. Faça guest posts

Guest post é quando você escreve artigos para blogs de outras empresas. Com isso, você pode inserir dentro deles seus links apontando para seus textos mais importantes. Isso dará notoriedade para seus textos e para seu blog.

Procure parceiros para guest post e escreva textos que atinjam bem os leitores dos seus parceiros, para que eles vejam valor no que você escreve. Não escreva apenas por links, escreva para encantar, assim seu parceiro de guest post também vai querer que você continue escrevendo para o blog dele.

Se você faz um texto ruim, vai acabar fechando as portas para futuras parcerias.

4. Divulgue nas redes sociais

As redes sociais são excelentes para ficar próximo de quem tem interesse nos conteúdos da sua empresa.

Use-as para atingir uma audiência cada vez maior e ganhar notoriedade, especialmente enquanto seus artigos não ranqueiam bem no Google, já que isso pode levar tempo.

Construa uma audiência nas redes sociais, mesmo que de forma paga, interaja com o público, entregue bons conteúdos e colha os resultados.

5. Atinja influenciadores

Você está no segmento de viagens e existem blogueiros que podem compartilhar seu conteúdo para uma audiência gigantesca? Por que não preparar um conteúdo para esse público e entrar em contato com eles dizendo que fez um conteúdo pensando em resolver um problema deles?

Isso faz todo sentido e pode funcionar muito bem dentro de uma estratégia maior de conteúdo.

Boas práticas em SEO

SEO para Iniciantes Pesquisa SEMRush

Existem boas práticas em SEO que devem ser seguidas. Essas práticas tornam seu conteúdo melhor para o usuário e para os buscadores. Em geral, elas impactam nas métricas de comportamento do usuário com seu site, o que acaba indicando uma melhor experiência e com isso uma maior relevância sobre o conteúdo.

A SEMRush realizou uma pesquisa recentemente sobre os principais fatores de ranqueamento e constatou os seguintes, do mais importante para menos importante:

  1. Acesso direto ao site
  2. Tempo no site
  3. Página por sessão
  4. Taxa de Rejeição
  5. Número total de domínios que apontam link
  6. Quantidade de backlinks
  7. Quantidade de IPs referenciando
  8. Quantidade de backlinks Do Follow
  9. Tamanho do texto
  10. Segurança do site (HTTPS)
  11. Total de anchor texts
  12. Palavra chave no anchor text
  13. Palavra chave no corpo do texto
  14. Densidade de palavra chave
  15. Palavra chave no título
  16. Palavra chave no meta description
  17. Vídeo na página

Note que as 4 primeiras métricas são relacionadas ao comportamento do leitor em seu site e com sua marca, e isso está em suas mãos, já de imediato.

De qualquer maneira, siga as dicas abaixo para otimização de conteúdo, para que você entregue uma boa experiência ao seu leitor.

SEO On Page (na página)

SEO On Page é tudo aquilo que você executa no seu conteúdo para que ele esteja otimizado. Algumas boas práticas são:

1. URL amigável

Uma URL amigável passa confiança ao seu leitor de que ele está entrando em um site com uma estruturação lógica de links bem feita.

O ideal é que a URL seja de poucas palavras, dentro do que fizer sentido visualmente, para que o leitor saiba do que se trata o assunto do texto.

Pode ser considerado uma boa prática colocar a palavra chave no link do texto, apesar de que algumas pesquisas indicam que isso não tem peso algum no ranqueamento do Google.

2. Frequência de Palavra Chave

Métrica contestada, porém que ainda é usada por criadores de conteúdo. A frequência serve para dizer aos buscadores que aquela determinada palavra chave é importante para o texto.

Se ela é repetida, é sinal de importância. Se ela se encontra distribuída ao longo do texto, é sinal que você está abordando aquele determinado assunto. Isso tudo serve para reforçar o contexto de criação de conteúdo para o Google.

Não vale exagerar no uso da palavra chave, o que pode acabar sendo penalizado. Mas como usar algumas vezes não faz mal e como a pesquisa acima da SEMRush aponta como um fator de importância leve, recomendo que use da seguinte maneira:

  • No título
  • 1 vez no primeiro parágrafo
  • Distribuído ao longo do texto, quando fizer sentido
  • Em um sub título
  • 1 vez no último parágrafo

Essa distribuição é a que buscamos usar aqui na GoBacklog, quando possível.

3. Escaneabilidade

Para um texto ter escaneabilidade ele precisa ser de fácil leitura. Isso inclui ter parágrafos curtos, frases curtas, bullet points (bolinhas de tópicos), negrito onde for necessário, citações, imagens, etc.

Isso tudo facilita o consumo do conteúdo por seu leitor e aumenta a adesão dele ao texto, fazendo com que ele consiga extrair o conhecimento que busca de forma fácil, sem precisar ler o texto por inteiro.

Repare que neste texto, fiz a divisão dele em vários tópicos, nos quais você pode ler de forma independente caso tenha interesse em apenas uma parte.

Dificilmente as pessoas irão ler seu texto por completo e é importante que você continue chamando a atenção delas ao longo do texto para que elas permaneçam atentas. Para isso usamos alguns gatilhos mentais, chamadas para continuar lendo, imagens, infográficos, entre outros.

4. Links

Os links existem como algo natural dentro de qualquer texto de qualidade. Você vai apontar para outros textos, para referenciar algo que leu, seja o link para dentro do seu próprio site (link interno) ou link para outro site (link externo).

É importante fazer uma mescla de links durante todo o texto. Além disso, para boa experiência do usuário, use sempre a opção de abrir em nova aba quando incluir um link, para evitar que o usuário saia do seu site ao clicar.

Outra questão aqui é usar um bom anchor text, para que faça sentido para quem está lendo o que ele irá encontrar do outro lado do link.

De nada adianta apontar para um link relevante se você usar um anchor text que não tem a ver com o conteúdo apontado.

5. Fotos leves e com parâmetros alimentados

Fotos leves porque são rápidas de carregar. Quanto mais rápido o usuário entra em sua página, melhor a experiência dele. Portanto sempre comprima suas fotos (veja isso mais abaixo na seção de ferramentas).

Quanto aos parâmetros, sempre preencha o alt text da foto. Isso permite que os buscadores entendam o que existe naquela foto. Além disso, use um nome para a foto com a palavra chave, juntamente com a descrição do que aquela imagem significa antes de a subir para seu blog.

6. Design responsivo

Uma página responsiva é aquela que está adequada tanto à versão desktop do navegador quanto do smartphone ou tablet do leitor, gerando assim uma boa experiência de leitura independente de onde ele acessar.

Sites não responsivos são penalizados tanto pelo Google quanto pelo usuário, já que é sofrível a experiência de quem acessa um site pelo smartphone, quando ele não está preparado para o acesso mobile.

7. Performance do site

O site carrega rapidamente? Cada segundo conta para seu usuário, que tem tempo escasso e não pode perder tempo com um site mal otimizado.

Em geral essa situação se resolve com um bom servidor de hospedagem e alguns plugins de otimização.

8. HTTPS

Você quer que apareça pro seu leitor que seu site não é confiável? Usuários do Google Chrome já recebem essa mensagem quando acessam sites que não possuem um certificado de segurança.

Compre um certificado com seu serviço de hospedagem e peça à equipe técnica da sua empresa para fazer os ajustes necessários para o site ter uma conexão segura.

9. AMP

AMP ou Accelerated Mobile Pages é uma forma otimizada das páginas do seu site para versão mobile. Isso faz com que vários elementos sejam trocados por elementos mais leves, reduzindo o consumo de banda e velocidade de acesso ao seu site por seu leitor.

Estudos já demonstram vantagens em implantar o AMP devido a algumas posições que seu site pode ganhar no Google. Considerando que isso entra dentro da questão da performance, é bom pensar em implantá-lo ou não.

Um fator negativo é que ele desativa algumas ferramentas de captura de leads e deixa seu site um pouco feio. Talvez isso seja motivo de não ter havido ainda uma adoção em massa da ferramenta.

De qualquer maneira, por se tratar de algo mais avançado, recomendo mais estudo em relação a este item.

10. Textos longos

Alguns podem discordar, mas eu acho bem complexo escrever algo com a profundidade que o leitor precisa com apenas 500 palavras. De qualquer forma, entenda sua persona, veja se ela é do tipo que lê artigos. Se não for, estude a melhor mídia para impacta-la (talvez vídeo?).

Na minha opinião, começamos a aprofundar em uma questão a partir das 1500 palavras. Recomendo que trabalhe sempre com algo acima disso para entregar mais valor ao seu leitor.

11. Facilite o compartilhamento

Torne fácil de seu conteúdo ser compartilhado em outros meios. Use sempre plugins que permitam o compartilhamento em múltiplas plataformas, como o que usamos aqui no site (veja a parte de ferramentas).

SEO Off Page (fora da página)

SEO Off Page é o que falei durante o início do texto, que é a questão do apontamento de links e também as menções à sua marca feitas em toda internet (sem link apontado para seu site).

No final das contas essa é a parte mais difícil do SEO, pois não dá pra pagar e conseguir isso a noite pro dia. Até existem formas de conseguir isso rápido de forma orgânica, mas é necessário planejar e acertar em uma boa estratégia de marketing.

Sobre a qualidade do link, segundo a Moz, devemos ficar atentos às seguintes características:

  1. A popularidade do site que está apontando o link
  2. O quão relacionado é o tema do site que aponta para o site apontado
  3. O quão fresco é um link (quão novo ele é)
  4. O anchor text usado no site que está linkando
  5. O quão confiável é o site que está linkando
  6. A quantidade de links que existem na página do link
  7. Autoridade do domínio e da página que está linkando

Ferramentas básicas para quem está começando

Ferramentas básicas para quem está começando SEO para iniciantes

Listo aqui as ferramentas que você precisará usar para facilitar sua vida nesse início de otimização de SEO do seu site.

1. Compress JPEG

Sabe aquela foto linda, que você quer colocar no seu texto? Pois bem, boa parte dela pode ser suprimida sem perder a qualidade. Isso pode ser feito usando ferramentas como a Compress JPEG.

É importante, antes de colocar a foto no seu site, passar por ela. É um processo rápido e que confere maior velocidade de carregamento ao seu blog.

2. Plugin de Cache

Cache é um software ou hardware que armazena dados para que esses dados sejam acessados de forma mais rápida por quem os solicita.

Dessa forma, o cache acelera a velocidade de carregamento do seu site, melhorando a experiência do seu usuário.

Existem diversas opções para uso, recomendo estudar qual o mais adequado para sua situação. Isso vai depender do CMS que você está utilizando (WordPress ou outros).

3. Yoast SEO

Yoast SEO é um plugin do WordPress que auxilia na redação de conteúdo com foco em SEO.

O plugin permite que você selecione uma palavra chave e monitore a maneira como ela está sendo trabalhada ao longo do texto.

Ele facilita e muito a otimização textual, especialmente para quem está iniciando na redação de conteúdo.

4. Google PageSpeed Insights

Quer saber qual a velocidade de carregamento do seu site? O Google PageSpeed Insights lhe dá essa resposta.

Use os feedbacks da ferramenta para melhorar seu site, gerando assim boa impressão no Google (tecnicamente) e nos seus visitantes, com um site mais rápido.

5. MozBar

A MozBar é uma excelente ferramenta para ter acesso às métricas da própria Moz, em especial a Domain Authority, que já fica destacada na ferramenta na medida que você navega pela web.

Ela possui uma funcionalidade para analisar os tipos de link dentro de uma determinada página entre outras.

6. Google Analytics

O Google Analytics é uma ferramenta de análise de comportamento dos usuários em seu site, permitindo saber por qual página ele acessou, quantas visitas seu site recebeu por mês, o tempo de permanência no site, taxa de rejeição, entre outras métricas.

É a base para o entendimento da jornada de consumo de conteúdo em seu site, portanto se dedique a aprender rapidamente sobre essa ferramenta.

7. Google Search Console

O Google Search Console permite saber como anda a indexação do seu site pelo Google, os erros de indexação, quais palavras chave estão levando as pessoas ao seu site e a taxa de clique comparada às vezes que as pessoas visualizam seu site.

Além disso, é possível fazer o registro do Sitemap, que é o mapa de indexação sugerido aos buscadores quando eles forem realizar o mapeamento do seu site. O Yoast SEO gera essa esse Sitemap e você só precisa incluir ele no Google Search Console.

8. Keyword Planner

O Keyword Planner é uma ferramenta dentro do Google Adwords que permite que você identifique a quantidade de busca para uma determinada palavra chave.

Ela é bem útil para identificar quais palavras chave valem a pena focar sua estratégia de conteúdo. Sendo assim ela deve ser usada no início do planejamento de SEO, pois muitas vezes não vai fazer sentido trabalhar uma determinada palavra chave sendo que a busca dela é muito baixa ou fará todo sentido, dependendo da sua estratégia.

9. Aba anônima do Chrome

Quer realizar uma busca no Google para analisar como está o posicionamento dos concorrentes para uma determinada palavra chave? Use a aba anônima.

Isso porque o navegador registra seu comportamento e isso influencia no retorno que ele dá para determinada busca. Como você acessa seu próprio site com frequência, isso influencia nos resultados.

Conclusão

Aprender SEO é um dos primeiros passos para conseguir sucesso em projetos e negócios digitais.

A presença online é construída aos poucos. Por este motivo é importante iniciar com as técnicas corretas para que os esforços de marketing façam sentido. Ter que corrigir erros básicos de SEO depois que se tem muito conteúdo criado é um verdadeiro pesadelo.

Além disso, começar de forma errada pode não gerar resultados ou reduzir os possíveis resultados de sua empresa, comparando com uma execução bem feita.

Acredito que consegui resumir bem a imensidão de conteúdos que existem sobre SEO e facilitar seu início nessa jornada.

Quero que conte comigo para qualquer dúvida que tiver, estou à disposição. E caso tenha algum projeto digital que queira tirar do papel, entre em contato conosco, ok?

Amir Faria

CMO da GoBacklog, uma empresa especializada no desenvolvimento de projetos digitais que vem mudando a forma de se criar negócios digitais de sucesso. Possuo vasta experiência em copywriting, SEO, gestão estratégica do Marketing e Inteligência Competitiva.
Fechar