De acordo com as projeções publicadas no relatório Focus, divulgado pelo Banco Central, os economistas do mercado financeiro reduziram a estimativa para o nível de atividade economia brasileira para 2020. 

Pela primeira vez, eles passaram a prever contração para este ano, além de novo corte na taxa básica de juros, a Selic, em maio. Para o PIB de 2020, a previsão passou a ser uma queda de 0,48%. Há quatro semanas, a estimativa era de alta de 2,17%.

Essa redução se deve principalmente a Pandemia da Covid-19. O surto da doença já matou cerca de 160 pessoas no Brasil, e tem deixado o mercado cada vez mais volátil e incerto. 

O comportamento do consumidor também tem se alterado de forma significativa diante o cenário de incerteza. A primeira reação foi estocar produtos e, por esse motivo, muitas empresas tiveram problemas com falta de abastecimento. 

Agora, as pessoas estão reduzindo drasticamente a frequência de ida aos pontos de venda. Por esse motivo, a recorrência diminui, porém o ticket médio aumenta. Os clientes passam a comprar produtos além do que compravam no período antes da crise. Diante disso, abaixo está um panorama feito dos últimos dias 15 dias com os principais acontecimentos dos setores que se destacaram.

Geral

  • O Senado aprovou, por 79 votos votos a zero, o projeto que prevê o repasse de R$ 600 mensais a trabalhadores informais. A medida, apelidada de “coronovoucher”, prevê o auxílio, limitado a duas pessoas da mesma família, por três meses. A trabalhadora que for mãe e chefe de família tem direito a R$ 1200.
  • Uma estimativa da Organização Internacional do Trabalho (OIT) indica que a crise gerada pelo coronavírus poderá gerar até 25 milhões de novos desempregados pelo mundo. A projeção considera distintos cenários para os efeitos da Covid-19 sobre a economia global: na simulação mais otimista, haverá 5,3 milhões de novos desempregados; na mais pessimista, o número sobe para 24,7 milhões.

Automobilístico

  • De acordo com os consultores Paulo Cardamone e Cassio Pagliarini, da Bright Consulting, divulgado na sexta-feira, 20, a produção de veículos leves deverá recuar a patamar pouco inferior ao de 2017, para 2,67 milhões de unidades em 2020, ou 4% abaixo de 2019, revertendo a expectativa do fabricantes, que era de crescimento de 7%, para 2,8 milhões.
  • O déficit na balança comercial de autopeças somou neste primeiro bimestre US$ 610 milhões, valor 2,6% mais baixo que o anotado no mesmo período do ano passado. Nos dois primeiros meses do ano o País exportou US$ 1,05 bilhão, 6,7% a menos que em iguais meses de 2019. Segundo o Sindipeças, entidade que reúne os fabricantes, os números até fevereiro ainda não refletiam os impactos do coronavírus nos embarques.

E-commerce

  • A taxa de tentativas de fraude no comércio eletrônico brasileiro aumentou 14% entre 2018 e 2019, avançando de 2,20% para 2,52%. O número consta no Raio-X da Fraude, relatório elaborado pela Konduto, antifraude para e-commerces e pagamentos digitais, a partir da análise de mais de 175 milhões de pedidos que passaram pelos sistemas da empresa entre 1º de janeiro e 31 de dezembro do ano passado.
  • A General Motors e a Mercedes-Benz darão férias coletivas em todas as suas unidades no País a partir de 30 de março. A decisão da GM interromperá a produção de automóveis em Gravataí (RS), São Caetano do Sul e São José dos Campos (ambas em SP), a fabricação de motores em Joinville (SC) e a produção de componentes em Mogi das Cruzes (SP). A Mercedes vai parar a produção de veículos comerciais em São Bernardo do Campo (SP) e Juiz de Fora (MG), além dos automóveis em Iracemápolis (SP) e componentes em Campinas (SP).

Energia Solar

  • A consultoria Clean Energy Latin America (CELA) aponta que, com a maior maturidade do setor fotovoltaico no Brasil, novas grandes empresas deverão ingressar no mercado em 2020. “Devemos continuar vendo a entrada de novos grandes players na geração centralizada, e de players de todos os portes na geração distribuída”, avalia a diretora geral da CELA, Camila Ramos.

Logística

  • A demanda por entregas vêm crescendo em meio à epidemia do novo coronavírus. A Rappi calcula aumento de cerca de 30% no número de pedidos em toda a América Latina nos dois primeiros meses de 2020 antes os dois últimos de 2019, com destaque para as categorias de farmácia, restaurantes e supermercados. Já o aplicativo iFood disse em nota que ainda é cedo para dimensionar o impacto do surto de coronavírus nas operações.
  • Pensando nos clientes mais vulneráveis, o James passa a realizar entregas gratuitas para aqueles que fazem parte do grupo de risco (idosos, profissionais da saúde e pessoas que tenham doenças que podem complicar o quadro em caso de infecção pelo coronavírus). Por meio de seu programa de assinaturas Prime, esse público não pagará a mensalidade do benefício por tempo indeterminado para as compras a partir de R$ 50 no Extra e no Pão de Açúcar e a partir de R$ 25 em restaurantes parceiros selecionados. Não há limite de quantidade de compras por mês.

Shopping Centers

  • Para enfrentar a epidemia do coronavírus, o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), mandou, na quarta-feira, 18, fechar os shoppings center e academias da região metropolitana. A ordem é para que os centros comerciais parem as atividades entre 19 de março e 23 de março. Os estabelecimentos devem ficar fechados até 30 de abril.
  • O comando da Abrasce, associação das empresas de shoppings centers, disse ao Valor que é possível considerar, com base em projeções de faturamento anual, perdas aos shoppings de R$ 15 bilhões em vendas por mês por conta do fechamento dos empreendimentos com a crise gerada pela epidemia com o coronavírus. São cerca de 580 empreendimentos no Brasil. A associação considera as vendas que ocorrem nas lojas dos empreendimentos, de cerca de R$ 180 bilhões ao ano, com uma média de R$ 15 bilhões mensais.

Tecnologia

  • As operadoras de telefonia registraram um aumento médio de 40% no tráfego de internet banda larga fixa de sua rede durante os três dias de quarentena causada pelo coronavírus no país. Normalmente, durante o dia, as conexões fixas residenciais operam com uma média de 80% de ociosidade. Desde segunda-feira, essas redes passaram a operar em sua capacidade plena e com picos de consumo cerca de 15% maiores.

Varejo Geral

  • Menos de um ano após a implementação, será cancelado o acordo do Carrefour com o Magazine Luiza, pelo qual a rede especializada administrava a área de eletroeletrônicos em hipermercados da marca francesa. De acordo com a publicação, a rede do setor supermercadista não se convenceu de que a iniciativa é rentável e, por isso, decidiu não seguir com o projeto.
  • As vendas do varejo brasileiro cresceram 5,2% em fevereiro, descontada a inflação, em comparação com o ano anterior, mostrou o Índice Cielo do Varejo Ampliado (ICVA), que acompanha mensalmente o desempenho de 1,5 milhão de varejistas credenciados à companhia de meios de pagamentos. Em termos nominais, que espelham a receita de vendas observadas pelo varejista, o ICVA apresentou alta de 9,1%.
  • Enquanto profissionais de muitos setores vivem um momento de incertezas em relação ao mercado de trabalho, no varejo as contratações acontecem em ritmo acelerado, resultado do forte aumento de demanda observado desde que a proliferação do novo Coronavírus se tornou exponencial no País. As maiores redes do setor correm contra o relógio para reforçar suas equipes.

Varejo Supermercadista

  • Em nota oficial, a Associação Brasileira de Supermercados (ABRAS) informou ao mercado que acompanha atentamente a pandemia de coronavírus no Brasil e no mundo e está mobilizada no combate à propagação da doença por meio de seus colaboradores, clientes e fornecedores. O comunicado diz que a entidade tem monitorado as lojas do país e, no momento, não foi identificado nenhum problema de desabastecimento, mas sim, de reposição, devido ao maior número de clientes em algumas lojas, no final de semana.
  • Como precaução contra o contágio de grupos de risco, os supermercados da bandeira Pão de Açúcar oferecerão atendimento exclusivo para clientes com mais de 60 anos de idade entre 6h e 7h da manhã. Todas as lojas funcionarão nesse esquema, com exceção das unidades dentro de shoppings, que cumprem os horário dos mesmos.
  • A corrida de consumidores aos supermercados para comprar produtos para a quarentena provocou reajustes de até 72%, segundo informações a Associação Paulista de Supermercados (APAS). Entre as mercadorias que ficaram mais caras estão itens básicos de alimentação, como cebola, leite, alho e arroz. A maior alta é a do limão (72,1%), seguida pela batata (64,5%) e pelo feijão (50,3%).

Links para leitura

Pedro de Vito

Especialista em Inteligência de Mercado na GoBacklog, uma empresa especializada no desenvolvimento de soluções digitais que vem mudando a forma de se criar negócios digitais de sucesso. Estudante de Administração na UFJF, apaixonada por pessoas, inovação e tecnologia.