Siga-nos nas redes sociais

A inovação é parte essencial da vida humana. Novas ideias e práticas sempre estão surgindo para melhorarem as condições da sociedade. Não há quem não contribua para esse avanço, seja consumindo produtos inovadores, seja criando novos produtos.

Não fosse pela fome de inovação do ser humano, produtos disruptivos jamais teriam sucesso em seu lançamento. A questão é que estamos sempre em busca de meios que facilitem nossas vidas e as tornem mais prazerosas.

Sendo inerente à natureza humana, precisamos entender outra questão da inovação: o tempo que ela demora para acontecer. Não é possível determinar prazos dentro da inovação, pois ao ser criar algo, ele requer tempo e liberdade para poder se transformar em algo que gere e tenha valor.

Temos como exemplo a invenção da lâmpada. Foram necessárias mais de mil tentativas até que se chegasse ao material ideal capaz de suportar horas de luz. Já imaginou se Thomas Edison tivesse um prazo apertado para seu lançamento? Ele poderia ou desistir da ideia ou lançá-la inacabada e não conseguindo atingir o potencial que gostaria.

thomas edison eu não falhei

Com sua paciência, Edison revolucionou o mundo. E essa paciência não é exclusividade dele. Diversas invenções e empresas são fruto da inovação sem prazo, com objetivos bem definidos e certamente com um propósito transformador.

O tempo da inovação nas empresas inovadoras

Em uma postagem em redes sociais, o diretor de engenharia da Nubank, Marcelo Toledo, disse:

Estabelecer prazo trás muita pressão interna e externa, isso por si já cria um ambiente muito tenso para todos e a consequência disso são conflitos e uma cultura de achar culpados quando algo errado acontecer (e vai acontecer).

Todos esses fatores acarretam em uma entrega urgente, sem nenhuma qualidade, afinal o mais importante era o prazo. Todas as variáveis jogam contra e quando algo é colocado no ar, os problemas aparecem, então busca-se culpados e o ciclo doente de desenvolvimento de produto toma conta daquele ambiente.

Essas palavras demonstram que, dentro da rotina de umas das fintechs mais inovadoras do mundo, existe espaço para a reflexão racional de que prazos apertados e inovação tecnológica não são um casamento perfeito.

Não seria então a questão de não focar em prazo, mas sim na qualidade e experiência um dos pilares que transformaram o Nubank na potência que é atualmente? Não seria o prazo um dos motivos pelos quais chegam em nossas mãos produtos, como consumidores, inacabados e cheios de problemas?

Devo abolir os prazos dentro da minha startup?

Não estou dizendo que o prazo deve ser abolido, mas ele precisa ser algo racional dentro de cada projeto. Se a pressa é inimiga da perfeição, prazos apertados também atrapalham a validação de uma ideia. Em contrapartida, não ter prazo nenhum pode tornar a empresa uma máquina de sonhos, onde nada é executado. Então, por qual caminho seguir?

Vale dizer então que trabalhar com prazos depende de cada modelo de negócio e vale a pena investigar modelos que dão certo e errado. A Apple por exemplo trabalha com prazos apertados, caso não lance um produto em determinada data seu valor de ação cai, acionistas reclamam, etc. Ela é obrigada a ter prazo.

Devo abolir os prazos dentro da minha startup

Isso não necessariamente quer dizer que é um bom modelo de gestão, concorda? Podemos dizer que a pressão do mercado a faz impor prazos e esses prazos impedem ela de lançar produtos melhores.

Já a Nubank não gera expectativa nos consumidores, eles surpreendem, por isso não tem prazos ou os possuem bem flexíveis. Uma feature não está como deveria estar na data proposta de lançamento? Nada de lançar e fazer o usuário sofrer.

A estratégia da Nubank é o encantamento real do usuário, podemos ver isso em todas as práticas da empresa. Criar atrito com uma experiência ruim não é culturalmente aceito por ela.

Só que a sua empresa não é o Nubank e precisa entregar resultados reais em prazos estimados pelos clientes e mercado. Então aí entram alguns pontos:

  1. Você em algum momento vai entregar algo de baixo valor para seus clientes (ou nem vai entregar no prazo. Talvez não entregue nunca.)
  2. Você vai gastar mais para ter uma estrutura que supostamente consegue entregar no prazo, considerando uma equipe maior e as horas extras (e isso não vai impedir você de falhar.)
  3. Você vai estressar sua equipe a cada projeto e você poderá ter um turn over alto

Tempo de amadurecimento de um produto

Imagine criar um conceito, redigir todo o planejamento sobre ele, começar o desenvolvimento, lançar o MVP e por fim lançar o “produto pronto”. Alguns diriam que o tempo para tudo isso acontecer é de alguns meses, outros que seria de 1 ano ou mais.

O que poucos entendem é o tempo de amadurecimento que existe em um processo de criação. Além disso, existe a questão da qualidade do código, quando o assunto são projetos digitais. Nesse caso, correria só atrapalha.

No texto que escrevi sobre por que investir em um projeto sem perspectiva de prazo de entrega, destaco alguns pontos que devem ser colocados sob reflexão por quem quer criar algo novo e espera poder fechar escopo em cima desse novo projeto.

O que fazer para contornar a questão do escopo e tempo

Planejamento, é o que recomendo que gaste seus esforços. Um bom planejamento é a chave para uma execução no menor tempo possível em um projeto digital.

Quando digo planejamento, me refiro à estruturação de ideias. Isso envolve:

  1. Diagrama ou Mind Map das funcionalidades
  2. Plano de Negócios
  3. Canvas

Quando essas etapas são feitas, encontra-se espaço para refletir sobre os melhores caminhos a serem tomados. Empreendedores que se dão o tempo de refletir sobre seus projetos conseguirão apresentar algo mais bem construído a uma equipe de desenvolvimento.

Conclusão

Existe uma diferença grande entre não trabalhar com prazo e não evoluir. O modelo mental da nossa sociedade foi construído em torno da previsibilidade, porém as pessoas se esqueceram que boas coisas demoram tempo para serem construídas.

Quando falamos de processo de inovação, de novas ideias e execução daquilo que nunca foi feito, então é necessário entender que gerar expectativa em cima de tempo é algo irreal.

Se você tem uma ideia, organize-a de forma lógica, faça seu planejamento de maneira estruturada, passe tempo estudando para então sim seguir adiante no processo de criação. Caso seja um projeto digital, você vai precisar dessa organização para ter sucesso no lançamento de um bom produto.

E caso você tenha uma ideia assim, que já queira tirar do papel, entre em contato com a gente.

Daniel Antunes

Fundador e CEO da GoBacklog, uma empresa especializada no desenvolvimento de projetos digitais que vem mudando a forma de se criar negócios digitais de sucesso. Empreendedor, Investidor e Graduado em Sistemas de Informação, Pós-graduado em Engenharia de Software e também em Gestão Estratégica de Negócios e Projetos, com mais de 10 anos de experiência no mercado de internet.
Fechar