Siga-nos nas redes sociais

Mais do que conhecer e dominar técnicas sobre a área tecnológica, o gestor de uma equipe de tecnologia precisa ter uma ótima bagagem de vivência naquilo que ele gere, combinando habilidades técnicas e pessoais para entender o que cada membro da equipe está enfrentando no desenvolvimento das demandas atribuídas a ela ou ele.

Nesse novo episódio sobre tecnologia, o CTO da GoBacklog, William Oliveira fala sobre os desafios que muitos gestores encontram ao formar suas equipes e como é importante manter uma comunicação alinhada com ela.

Como encontrar e gerir uma boa equipe de tecnologia?

O principal desafio é conseguir formar uma equipe que fale a mesma língua. Existem backgrounds diferentes em cada pessoa, elas passaram por desafios diferentes em suas carreiras, em lugares diferentes, seja geograficamente ou realmente de experiência.

Então você conseguir juntar pessoas e fazer elas realmente se comunicarem de forma igual e falar a mesma língua do outro é um grande desafio.

Porque você tem um objetivo como empresa e como equipe, e você precisa que todo mundo esteja alinhado com esse objetivo.

O que compõe uma boa equipe de tecnologia?

É a vontade que cada profissional ou cada pessoa no seu time tem de estar fazendo o que ela faz. Então se você tem pessoas que realmente estão interessadas e apaixonadas por aquilo que elas estão fazendo, você vai atingir bons resultados e vai conseguir encontrar pessoas que se comunicam de forma alinhada.

Escolher pessoas que gostam de estudar, gostam de respirar tecnologia, gostam de falar sobre esse assunto e que estão ali aprendendo junto com você. Ninguém sabe tudo, todo dia é um aprendizado novo para todo mundo, pois é uma área que se atualiza constantemente.

Existe aí um grande desafio, que é de estar unido e estar com essa vontade de fazer a mesma coisa. Essas coisas é que formam boas equipes. Além, claro, do bom relacionamento. Ter pessoas que gostem e se dão bem umas com as outras.

Com isso, é importante evitar profissionais que criem um ambiente tóxico. É preciso trazer quem está ali e realmente gosta do ambiente. Isso compõe de fato uma boa equipe.

A equipe de tecnologia da GoBacklog não está concentrada, mas é remota e se encontra em várias regiões do Brasil. Como isso pode ser uma vantagem para o cliente?

Acho que a grande vantagem é justamente ter pessoas de diversas localidades e que viveram coisas diferentes. Ao mesmo tempo que isso se torna um desafio para fazer com que elas consigam falar a mesma língua, é também um grande aliado por ter pessoas que passaram por experiências diferentes e trazem toda essa bagagem para atuar nos projetos da GoBacklog.

Você pega pessoas que trabalharam em capitais, algumas que viveram a realidade do interior, onde é um pouco mais difícil de se trabalhar com tecnologia de ponta, então, toda essa grande diversidade, quando se encontra, agrega bastante valor nos projetos.

Para você que foi desenvolvedor por mais de 10 anos, o que isso agrega na gestão da equipe?

Existem vários pontos, mas o principal é que eu passei, o que eles passam diariamente, por muito tempo. Por isso eu sei como é o dia a dia, a realidade e como é lidar com as pressões e as coisas que vem de cima e isso é o que faz toda a diferença.

Principalmente quando a gente fala sobre o fluxo de trabalho, porque depende muito da concentração e do foco de manter raciocínios.

Então quando você tem uma pessoa do outro lado que nunca passou por isso e que nunca realmente executou aquele tipo de trabalho, não tem como ela entender de fato como é lidar com as pessoas nesse meio.

Podem existir pessoas que estão trabalhando e executando algo complexo e acontecem interrupções, que são coisas que realmente matam o trabalho.

Por exemplo, a pessoa estava focada na demanda horas e horas, desenvolvendo uma linha de raciocínio e você simplesmente pergunta: “Ah, o que você está fazendo?”. Isso pode gerar efeitos bastantes negativos se você não sabe de fato o momento em que a pessoa está e o que ela está fazendo.

Por ter vivido isso, aqui na GoBacklog a gente tem essa cultura e regras para interrupções para realmente evitar esse tipo de problema.

Qual a melhor maneira de manter desenvolvedores engajados e retê-los na empresa?

A melhor maneira é realmente criando um ambiente saudável. Se você der as ferramentas necessárias para que eles trabalhem bem, prestando atenção em como eles estão trabalhando e o que eles precisam. E inovando o tempo todo.

Eu hoje como CTO na Gobacklog continuo estudando, assim como fazia quando era desenvolvedor. Além disso, continuo programando, não perdi isso e nem vou perder, porque é uma característica necessária para você conseguir um nível de comunicação aceitável com a sua equipe.

É preciso que você esteja vivendo o que eles estão vivendo, diariamente também, para poder se colocar no lugar deles e assim conseguir tomar as decisões corretas. E isso é algo que engaja e mantém eles com você.

Você não está simplesmente dando ordens ou pedindo para que seja feito algo. Quando precisa, você está junto e executa com eles e ainda passa pelos mesmos problemas que eles estão passando. Isso faz toda diferença, prover todo esse ambiente e estar sempre do lado da sua equipe.

Tem algum case ou feedback de desenvolvedores que você gostaria de compartilhar?

Recentemente nós estamos trazendo novos profissionais e um desses que entrou agora me deu um feedback falando sobre o nosso modelo de gestão, e que particularmente me deixou muito feliz e ao mesmo tempo um pouco espantado.

É uma pessoa experiente que entrou no nosso time, e um dia no meio de uma reunião, ela disse para eu ter um pouco de paciência com ela porque estava acostumada com um ambientes desorganizados.

Todas as empresas em que essa pessoa passou, não existia uma cultura bem definida, um modelo organizacional bom e não tinham essas coisas documentadas. Geralmente é só “apagar incêndios”, como a gente fala que é resolver problemas urgentes.

Todos os problemas são urgentes e nenhum deles são documentados ou estão com informações suficientes para que a pessoa execute aquilo de uma maneira que não pressione e que não gere bons resultados. Isso realmente contribui para resultados ruins, problemas de gestão e execução.

Essa pessoa ter falado que o nosso modelo é bastante organizado e que nossa empresa tem tudo muito definido e que prezássemos por isso sempre; isso é algo raro de se ver hoje em dia.

As pessoas estão muito focadas e interessadas somente na execução e esquecem do básico que realmente é dar um ambiente onde essa pessoa consiga executar de forma confortável o trabalho que ela tem para executar.

Diariamente nós recebemos bons feedbacks porque o nosso compromisso e a nossa dedicação é ter esse ambiente 100% todo dia.

Links para leitura

Priscylla Silva

Especialista de Marketing na GoBacklog, uma empresa especializada no desenvolvimento de soluções digitais que vem mudando a forma de se criar negócios digitais de sucesso. Jornalista, apaixonada por Marketing e uma grande fã de inovações tecnológicas.
Fechar