• A Inovação é essencial para os negócios atuais, por isso, manter uma cultura criativa nas empresas é essencial para o seu negócio.
  • A Fixação Funcional é uma barreira criativa, que pode afetar o desenvolvimento de novas ideias e projetos.
  • A Criatividade pode ser desenvolvida, através de exercícios que te fazem olhar de uma maneira não convencional para as coisas.

A palavra inovação se tornou um novo mantra dentro dos negócios atuais. A necessidade de trazer algo novo para o mercado a todo tempo está intimamente ligado a sobrevivência de um negócio.

Por este motivo, a compreensão do ato de inovar sofreu uma ampliação de significado. Antes, a inovação era relacionada somente a criação de algo novo, que se diferenciava totalmente de padrões anteriores.

Porém, atualmente, sabemos que para inovar não é preciso ser disruptivo, esquecendo dos padrões que dão certo e ainda fazem sentido dentro de um produto. A inovação pode surgir do aperfeiçoamento e renovação de uma ideia, resolvendo problemas pontuais que trarão uma melhor experiencia para os seus clientes.

E por ser tão necessária, muitas empresas buscam estimular a criatividade de seus colaboradores, para se manterem inovadoras e competitivas no mercado. Mas, muitas vezes, acabam esbarrando em limitações criativas e não conseguem evoluir projetos da maneira planejada.

A Fixação Funcional é um desses problemas, podendo afetar mesmo pessoas consideradas extremamente criativas, dificultando todo o processo de resolução de problemas e evolução de produtos e projetos.

Desenvolva a Solução que o seu Negócio precisa

O que é Fixação Funcional?

A Fixação Funcional é descrita como um fenômeno psicológico que faz com que as pessoas tenham dificuldade de enxergar a utilidade de um objeto além da convencional.

Como ela foi descoberta na psicologia

Em 1930, o psicólogo alemão Karl Duncker, fez uma dinâmica com um grupo de pessoas, onde ele entregou a cada um dos participantes uma caixa de tachinhas, uma vela e uma caixa de fósforos. O objetivo do desafio era que cada um conseguisse grudar a vela na parede, sem que a cera da vela caísse no chão.

Segundo os resultados descritos por Duncker, muitos participantes tiveram dificuldade em enxergar a caixa de tachinhas como um suporte de sustentação da vela e de captação da cera.

A caixa foi lhes apresentada, primariamente, como um armazenador de algo, por este motivo, desvincular o objeto dessa única função foi uma tarefa difícil para a maioria dos participantes da dinâmica.

Esse fenômeno psicológico, que leva uma pessoa a enxergar um objeto somente da forma como é usado tradicionalmente, foi descrito por Karl Duncker como Fixação Funcional.

Por que a Fixação Funcional é um problema nas empresas?

A condição neurológica da Fixação Funcional pode ser útil no dia a dia de uma pessoa, onde não é preciso solucionar problemas de maneira criativa constantemente. Porém, dentro das empresas e ambientes criativos, este fenômeno psicológico é um grande empecilho.

Segundo um relatório do Linkedin de 2019, a característica mais buscada pelas empresas em uma pessoa é a Criatividade. Devido ao avanço da automação, muitos trabalhos que antes eram desempenhados por humanos, hoje, podem ser substituídos pela tecnologia.

Por este motivo, o mercado tem valorizado, cada vez mais, as habilidades intrinsecadas do ser humano, como a criatividade, originalidade, pensamento crítico e iniciativa.

Além disso, a criatividade está intimamente ligada a inovação, que é uma das chaves para que uma empresa cresça e consiga se encaixar dentro do mercado mais facilmente. Como dito por Theodore Henderson, autor e coach de empreendedorismo, em um artigo da Forbes:

A inovação é vital no local de trabalho, pois oferece às empresas uma vantagem em penetrar nos mercados mais rapidamente e fornece uma melhor conexão aos mercados em desenvolvimento, o que pode levar a maiores oportunidades […]

Com todo esse cenário que busca amplamente manter a criatividade no topo, a fixação funcional aparece como uma grande barreira, que limita o desenvolvimento de ideias e de projetos. Além disso, ela pode aparecer de diferentes formas e em todos os departamentos de uma empresa.

No artigo da Harvard Business Review, Find Innovation Where You Least Expect It, de Tony McCaffrey e Jim Pearson, é abordado, além da Fixação Funcional, a Fixação de Design e de Objetivos, que também são fenômenos psicológicos que afetam a criatividade.

A Fixação de Design é a tendência de uma pessoa se fixar em recursos atuais de um produto, sem levar em consideração outros recursos disponíveis.

Ou seja, se é solicitado o desenvolvimento de um novo design para um produto, a equipe pode passar por um obstáculo à novidade, se prendendo as características que ele já possuía.

Já a Fixação de Objetivos é a restrição do pensamento, a respeito do objetivo de uma tarefa, à forma como ela é descrita. Para ficar mais claro, podemos usar o exemplo dado pelos autores do artigo da HBR:

Suponha que pedimos que você pense em uma maneira de aderir algo a uma lata de lixo. As chances são de que, como a maioria das pessoas, você pense em usar cola ou fita adesiva. Mas, e se pedíssemos para você prender algo na lata? Mudar um verbo específico como “aderir” para um mais geral provavelmente o faria listar uma gama maior de possibilidades: clipe de fichário, clipe de papel, prego, barbante, velcro e assim por diante.

Podemos olhar a Fixação de Design e a Fixação de Objetivos como derivações da Fixação Funcional, visto que todas são barreiras para o desenvolvimento criativo de uma pessoa.

É preciso saber lidar com estes fenômenos psicológicos, buscando não deixar a sua atitude mental influenciar na sua tarefa de solucionar problemas.

Como ultrapassar a barreira da Fixação Funcional

A Fixação Funcional, muitas vezes, é causada pela forma que descrevemos um objeto. É através do que sabemos sobre ele, funções e aparência, que o armazenaremos em nossas mentes, excluindo tudo aquilo que não tiver relação com ele.

Por este motivo, uma das maneiras de se ultrapassar esta barreira é através da Ressignificação de um objeto. É preciso descrevê-lo de diferentes maneiras, fugindo das explicações convencionais.

Para Tony McCaffrey, Diretor de Tecnologia do Innovation Accelerator, e o CEO Jim Pearson, é preciso considerar cada elemento de um objeto e se fazer duas perguntas:

  • Ele pode ser decomposto mais vezes?
  • Nossa descrição implica um uso específico?

Se a resposta for sim, para qualquer uma das perguntas, é preciso continuar detalhando os elementos, até que toda a descrição seja feita em termos gerais.

Outra alternativa, sugerida pela equipe da Harvard Business Review, é investir nos Brainswarming, uma alternativa ao Brainstorm, onde a equipe não verbaliza suas ideias, mas sim, escreve, para que nada seja perdido no processo.

Nos Brainswarming a equipe precisa identificar os problemas ou o objetivo de um produto e escrevê-lo no topo de um gráfico em forma de pirâmide. Na base é preciso colocar os caminhos para solucionar o problema ou atingir o objetivo.

No caso da Fixação Funcional, o mesmo processo pode ser desenvolvido pela equipe, mas se a necessidade for extrair o máximo de informações de um produto, o objetivo da dinâmica pode mudar.

Ao invés de buscarem caminhos para solucionar um problema, podem ser escritas palavras de descrição daquele objeto.

No entanto, o mais importante para não esbarrar na Fixação Funcional é sempre estar disposto a mudar as estratégias de criação e de inovação dentro de uma empresa. Se algo não está funcionando corretamente, não tenha medo de ousar e utilizar novas alternativas.

Além disso, o uso contínuo de um mesmo processo de criação pode acomodar uma pessoa, fazendo com que as ideias se tornem semelhantes e parecidas ao longo do tempo. Por isso, é sempre bom trazer novas dinâmicas e estimular a sua criatividade.

A inovação em uma empresa não é só para o cliente ver, mas também para a vivência da equipe. Um ambiente empresarial que cultiva a cultura da inovação internamente, tem mais chances de desenvolver soluções criativas e que mudem o mercado.

Exercite a sua Criatividade

O filósofo, psicólogo cognitivo e cientista da computação, Dr. Tony McCaffrey, da Universidade de Massachusetts Amherst, nos EUA, fez um estudo em que coletou e analisou cerca de 100 inventos modernos e 1.000 históricos, para compreender como as inovações surgem.

Os resultados trazidos por McCaffrey foi uma série de exercícios, baseados em sua Hipótese de Características Obscuras, que prometem transformar a relação das pessoas com o processo criativo e desenvolvimento de novas ideias.

De acordo com ele, o primeiro passo para mudar a sua atitude mental e desenvolver uma maior relação com a criatividade é mudar o seu olhar sobre as coisas.

É preciso observar os objetos de uma maneira diferente, a ponto de encontrar características não percebidas pelo olhar convencional. A partir disso, a segunda coisa a se fazer é desenvolver uma solução baseada nessas características.

Fomos desenhados para notar o que é mais comum. Porém, o que nos torna inovadores é ter múltiplos olhares para uma mesma coisa.

Dr. Tony McCaffrey

A decomposição de objetos em partes é um dos exercícios do desenvolvimento da criatividade. Você pode pensar em como cada parte de um objeto pode ser usada para outras tarefas ou buscar novos usos para ele, por exemplo.

O importante é que você consiga fazer estes exercícios, cada vez mais, de forma natural, desenvolvendo de maneira genuína um novo olhar sobre as coisas.

Conclusão

Não há inovação sem criatividade, e não há criatividade sem a imersão em uma cultura criativa. Empresas que buscam inovar e se manterem a frente no mercado, precisam começar a exercitar estas características em seus colaboradores.

A Fixação Funcional pode ser um bloqueio criativo, porém, existem diversos exercícios que são capazes de ultrapassar esta barreira, podendo abrir novos olhares a respeito das necessidades do mercado e novos projetos e produtos de uma empresa.

Ideias fora da caixa são pensadas por pessoas que possuem um olhar diferente e não convencional sobre as coisas. Exercitar o seu lado criativo é investir no desenvolvimento de uma capacidade mais do que necessária no mercado atual.

Links para Leitura

Ana Antunes

Especialista de Marketing na GoBacklog, uma empresa especializada no desenvolvimento de soluções digitais que vem mudando a forma de se criar negócios digitais de sucesso. Estudante de Economia na UFJF, apaixonada por inovação e tecnologia.